quarta-feira, 21 de março de 2012

DIA DA POESIA

   Embora seja um poema muito conhecido, nesta altura conturbada em que se pensa pouco e menos se dá a nossa opinião, principalmente quando estamos em minoria, um poema que Sophia de Mello Breyner Andresen dedicou a Franciso Sousa Tavares:

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Isabel Campos

1 comentário:

  1. Humildemente, confesso a minha ignorância: não conhecia. É muito bonito.

    ResponderEliminar

Os comentários publicados são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. Os autores do blogue reservam-se, desde já, o direito de moderar os comentários e não publicar os que julgar ofensivos, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.